Blog

É curioso… há algumas relações amorosas que depois de terminadas precisam ser retomadas para que terminem definitivamente.

Funciona como um estranho processo de luto e insight. É preciso ressuscitar o objeto que já sabemos morto, ter com ele, reviver ainda as mesmas desgraças que queríamos evitar. Até que, nesse segundo tempo, uma certeza se instala e acaba por matar aquela esperança cheia de veneno masoquista (“e se tentássemos ainda mais uma vez?”). O tempo das mãos limpas, de ter tentado no seu melhor conviver com o outro e reconhecer, definitivamente, um impasse, o impossível de qualquer interseção. Ou melhor, que a interseção se fazia no mal-estar, trazendo o que havia de pior em cada um dos parceiros.

Esse tempo não é apenas o tempo do término. É parte importante do recomeço, finalização de um luto que precisou ainda por um momento trazer de volta o que havíamos hesitado em sepultar.

Essa vivência parece ter uma outra dobra: na verdade, não é apenas desse objeto de amor atual que queríamos nos livrar. Ter vivido o término em dois tempos é um modo de dizer pra si mesmo que é preciso re-examinar uma relação ainda mais pretérita… Como se disséssemos para nós mesmos que há ainda algo do passado a ser resolvido. O insight é desse luto-com-a-presença-do-objeto é esse: é de grande alívio se livrar do morto atual, mas é ainda mais impactante reconhecer que não era esse o cadáver insepulto, mas um outro, cuja presença e influência no nosso fracasso amoroso só agora, através dessa penosa vivência, podemos reconhecer…